Blog - Romeu di Sessa

  • Romeu di Sessa

O Mecanismo, Segunda temporada

Achei a segunda temporada bem melhor que a primeira, tanto de roteiro quanto de direção. As subtramas estão mais bem elaboradas e acho que acharam um tom mais equilibrado pra loucura do personagem do Selton Mello, que em mais um trabalho confirma que é um dos melhores atores brasileiros da atualidade. O elenco é quase todo muito bom, mas o Selton e o Enrique Diaz arrebentam a boca do balão.

Tinha uma coisa muito ruim, que pra mim comprometeu a primeira temporada, que é o "clímax" do personagem do Selton Mello sendo o que seria uma "grande epifania" que é quando ele descobre que "sim! Existe um mecanismo!" Oh! Bom, que a corrupção no Brasil é sistêmica isso todos sabemos desde pequenos. Aí fizeram lá uma cena dele montando aquele painel, como se fosse Uma Mente Brilhante sacando algo novo e revolucionário, mas a forma não disfarçou a fraqueza do conteúdo, do personagem "descobrindo" o que já deveria saber fazia tempos. Na segunda temporada a mesma situação foi substituída por outro drive muito melhor, o lance das cartas. E aí ficou uma coisa muito mais instigante. Primeiro porque foi mais fundo não só na mera constatação de que "tudo é uma armação", mas entendendo e explicando o "mecanismo" de fato. Segundo porque foi uma forma de mostrar a loucura e a obsessão dele de uma forma muito impactante. E terceiro que visualmente também resolveu muito melhor.

Acho que essa série, junto com outras como 3% e O Negócio, consagram a maturidade em séries brasileiras "off-Globo".

De conteúdo tem algumas coisas que eu estranhei. Eu acho que obra de ficção não é reportagem, acho que ela tem que se apegar aos fatos só na medida de quanto isso ajuda na dramaturgia. Mas acho que isso tem limites e ao mesmo tempo acho também que ninguém poderá nunca estar autorizado a definir qual é essa medida, o quanto o roteirista precisa mesmo se ater aos fatos e ser fiel a eles. Acho que a régua pra isso quem tem que dar é o bom senso do roteirista e da produção. Quem cria alguma obra de ficção baseado em fatos reais tem mesmo que ter liberdade para interpretá-los e descrevê-los como for mais instigante, mais cativante, sempre a serviço do entretenimento. De novo: não é reportagem. E de mais a mais, ninguém está impedido de contar a mesma história de outro ângulo, até porque toda história tem infinitos ângulos a serem abordados.

Tem um caso emblemático disso na cinematografia brasileira, que foi no O Que É Isso Companheiro, que teve aquela situação da personagem da Cláudia Abreu transar com o personagem do Milton Gonçalves, que fazia um segurança do embaixador. Houve uma grita do pessoal mais ligado àqueles movimentos guerrilheiros da época, dizendo que isso nunca aconteceu. Mas e daí? Não é nada impossível. Não dá pra dizer que militantes que estavam dispostos a matar ou morrer pela causa não se disporiam a transar com alguém para obter alguma informação importante. E o filme nem ao menos é "a história de uma mulher que se prostituía pra combater o Regime Militar" (e ainda que fosse), aquilo é uma subtrama, uma solução achada para fechar uma parte da história, que não faz diferença se era 25 ou 100% verdadeira.

Mas como disse, isso tem limites. Esse caso do Companheiro, pro meu julgamento, não derrubou esse limite, mas outros podem achar que sim e ambos estaremos certos. Isto posto, tem duas situações que me chamaram atenção nesse sentido n'O Mecanismo.

A primeira foi a prisão do Youssef no Paraguai, quando na verdade ele foi preso no Maranhão. Não é só uma questão de "rigidez geográfica", mas é que colocaram ele vendendo cigarros, e incluíram ali a morte de um agente da PF que, até onde eu sei, nunca existiu. Mas ok, pode ter sido melhor pra trama, afinal este é um caso policial sem tiros, quase sem "perseguição de carro", e o público quer ver mais ação do que tem na confecção de um PowePoint (por sinal, ótima e correta a cena onde mostram o fatídico e ridículo PowerPoint do Dallagnol, incluindo o desdém da colega).

A outra coisa, e essa eu acho que passou bastante do tal limite, foi colocar como se o impeachment da Dilma tivesse se dado por uma armação entre Temer, Aécio e Cunha (e acho que Gilmar Mendes também). Isso obviamente não se deu assim e pra poder contar a história desse jeito a série foi obrigada a desconsiderar e fingir que não existiu um dos episódios mais importantes e fatais daquele momento, que foram as maiores manifestações públicas que este país já teve, que simplesmente não aparecem, nem são citadas na obra.

O que pega nisso não é nem o fato deles terem contado a história deste jeito, mas o fato deste jeito estar completamente alinhado com um viés político partidário. Acho que aí a trama se perde porque veste uma camisa que não tinha que vestir, e que teve muita habilidade e não vestir em outras situações. Por exemplo, a forma como é mostrada a Lava-Jato e seus integrantes, e incluo aí o Moro, não foi composta alinhada com a narrativa cochinha, pelo contrário. Há crítica embutida naquelas ações (por exemplo, a do grampo da Dilma e Lula vazado, ou o próprio PowerPoint), há personagens da própria equipe defendendo Lula e seu legado, há contradição entre os personagens e isso tudo acho muito saudável. E não só porque melhora a trama, mas também porque não toma partido. Colocar o impeachment da Dilma dando um copy&paste da cartilha petista, foi tomar um partido que a série não precisava e nem deveria tomar. Até porque essa versão é completamente falaz. Nem tem muito sentido o Aécio ter feito parte da suposta engendração pra derrubar Dilma (ele não teria o que lucrar com isso) e também Cunha e Temer podiam tramar isso quanto quisessem: sem as pedaladas, sem a incompetência, sem o embuste eleitoral, sem a anuência do STF e principalmente, sem a roubalheira petista escancarada pela própria Lava-Jato e sem a multidão na rua, eles podiam armar isso o quanto quisessem, que nunca haveria nem golpe nem impeachment algum. É fato que tanto Cunha quanto, principalmente Temer, lucraram muito com isso, mas daí a descrever como se fossem eles que tivessem tramado, é pura viagem. E uma viagem alinhada com um partido. Daí o equívoco.

E mais: é preciso também lembrar que se o congresso não aprovasse, nada aconteceria. E não é crível dizer que o congresso foi comprado para aprovar. O que aconteceu foi justo o oposto: o PT formou sua base aliada comprando as putas de rua do congresso, quando a grana acabou (por causa da Lava-Jato), acabou a "base aliada", que só existia financiada. E aí viraram as costas. ESSA me parecia ser uma trama melhor contada na série e que também renderia bem dramaturgicamente falando. Porque no fim, de fato, quem deu "um golpe" no PT e na Dilma, foi a Lava-Jato, porque secou a fonte da corrupção e a "base" virou vapor.

Isso sem contar que os supostos artífices se deram bem mal, né? Aécio foi "esperto" (no mau sentido da palavra) e garantiu seu foro privilegiado por pelo menos 4 anos como mero deputado; Temer já foi preso, saiu mas obviamente vai voltar e Cunha tá em cana, deixou de existir politicamente.

Enfim, acho que foi um caminho adotado não muito bom, parece até que o Padilha tava a fim de ficar de bem com os Mortadelas, ou quem sabe só com seu amigo Wagner Moura e mandou essa linha, a única flagrantemente partidária, numa série que brilhava pelo distanciamento crítico. Não precisava.

Mas quem sou eu pra definir o limite...

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Os 7 de Chicago

Há tempos aparecem pessoas da área falando sobre “dramaturgia moderna”. O último papo que tive (ou na verdade tentei ter) sobre isso, foi com uma moça, chamada Bea Goes, que tem um canal no Youtube ch

Bacurau

Eis uma lenda que eu inventei de como foi criado o roteiro de Bacurau. Era meados dos anos 80. Num D.A. de alguma faculdade pública vários jovens estavam fazendo conjecturas sobre o perverso mundo em

Porta de Natal

O Porta dos Fundos merece ir pro inferno mesmo. O especial de natal deles é vergonhosamente desprovido de graça. E ainda com piadas do gênero: o escada diz: “eu pedi uma informação e ele deu” e o pers