Blog - Romeu di Sessa

  • Romeu di Sessa

O dia em que eu ensinei Syd Field para Syd Field

Acho que foi em 2008. Eu era presidente de uma entidade (a ABD) e tinha organizado uma palestra com Syd Field no MIS, gratuita e exclusiva para roteiristas profissionais. Ele já estava no Brasil para dar um dos seus cursos e topou fazer esse “puxadinho”, uma master class de uma tarde. A ideia era atingir pessoas que, trabalhando na área, tinham muita resistência e críticas a ele. Eu já tinha participado de um sem número de debates sobre o tal paradigma do Syd Field. E as pessoas chegavam a falar coisas muito absurdas em relação a ele, o tratav


am como se ele fosse um “agente”, ou da CIA ou pelo menos da MPA, que tinha a intenção de “manipular” as pessoas para fazê-las criar filmes nos moldes americanos. E falavam isso a sério! Enfim, bobageiras sem tamanho. Promovi a palestra com a intenção pia de quebrar barreiras ou de pelo menos tentar tornar o debate mais técnico e menos ideológico. Não sei quantas das 300 pessoas que estavam lá flexibilizaram suas posições. Mas eu fiz minha parte. Vou pro céu.

Pois bem, finda a palestra, fui levar Syd Field até o hotel dele. No caminho conversamos sobre essa resistência quanto ao seu trabalho e ele me disse que isso não acontecia só no Brasil, mas em outros lugares também, como por exemplo, na França o chamavam de “Le Pettit Diable”. :)

Syd Field era um cara muito calmo, um californiano, vegano e budista, um semi (ou um pós) hippie. E foi com esse jeito zen que lá pelas tantas no papo ele disse que nem entendia muito bem por que as pessoas tinham tanta aversão a ele. Complementou dizendo: “afinal, só o que eu faço é ensinar às pessoas como escrever um bom roteiro”. E foi nesse momento que eu cheguei no ápice da minha carreira de professor, foi quando eu ensinei Syd Field PARA Syd Field(!!!). Eu lhe respondi: “Não, você não ensina às pessoas como escrever um bom roteiro, você ensina como os bons roteiros são escritos”. Ele sorriu e concordou.

Isto não é só um jogo de palavras. Syd Field descrevendo seu trabalho desse jeito (“ensino como escrever um bom roteiro”) acabava incentivando e até autorizando a ideia de que ele tinha criado uma “receita de bolo” e a disseminava. E não é isso. Não foi ele quem inventou a estrutura ou o paradigma que ele ensinava. Também não foi Mckee, nem Vogler, nem Campbell, nem ao menos Aristóteles. Ninguém criou o paradigma, ou melhor dizendo, todos nós criamos o paradigma. Ele é parte do inconsciente coletivo, ele é parte do espólio humano, e não depende de disseminação para ser aprendido, nem usado. O que esses teóricos fizeram foi DETECTAR o paradigma e o expuseram didaticamente. Mas ele não tem dono, nem autor, é uma obra coletiva. Ou como muito bem descrevia o próprio Syd Field, isto não é uma fórmula, mas uma forma.

E então resta a pergunta: se esta forma já está presente e é espontânea e incontornável, pra quê se aprende dramaturgia? Pela mesma razão que um músico – mesmo talentoso – aprende música ou um pintor cheio de virtudes aprende as técnicas das artes plásticas: para ter CONTROLE sobre seu trabalho, para ter mais consciência e saber sempre o que está fazendo.

Duas coisas para entender melhor isso: nunca aceite a ideia que alguém tem uma receita para fazer roteiros, porque isto é bobagem. E nunca aceite a ideia que estrutura dramatúrgica é uma “receita”, porque não é.


27 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Como virei roteirista?

Para esta pergunta tenho duas respostas, uma “objetiva”, outra “filosófica”. Falo de ambas. Eu sempre escrevi. E tive algumas influências importantes para isso. A primeira foi meu avô, que também escr